ENCONTRE AQUI

Empresas participantes do Cyber Solutions têm aumento de 59% de resiliência

Sensibilização do público em geral e capacitação de pessoal em segurança da informação são ações do projeto previstas para 2022

UCM | 14/01/2022

Lançado em novembro, o projeto Cyber Solutions, da ABDI, já conseguiu resultados significativos para as empresas participantes. Criado justamente para ajudar micro e pequenas empresas a garantir a segurança da informação de seus negócios, a mentoria coletiva e as consultorias individuais realizadas nos meses de novembro e dezembro, em parceria com o SENAI, conseguiram um aumento médio de resiliência cibernética de 59% nas empresas participantes.

 

A analista de Produtividade e Inovação da ABDI Larissa Querino, coordenadora do projeto, explica que isso significa que as empresas ganharam no aumento de sua capacidade de mitigar riscos cibernéticos e de se defender de ataques à segurança da informação. “As empresas se empenharam para adotar as soluções tecnológicas sugeridas e resolver as não-conformidades identificadas pelo consultor. Houve empresas com ganhos de resiliência cibernética de até 150% em nossas ações”, contou Larissa.

Uma delas foi a Cenort Fábrica e Comércio de Artigos Ortopédicos, em Londrina, no Paraná. De acordo com a responsável pelo Departamento Jurídico da empresa, Valéria Cristina dos Santos, a participação na consultoria fez toda a diferença. “A Cenort   ganhou   conhecimento e maior centralização na sua forma de executar o trabalho, estabelecendo metas mais claras e estratégicas. Os cuidados na segurança dos dados foram aprimorados e a interação com um profissional qualificado trouxe consciência quanto aos riscos e à importância de políticas internas mais adequadas para a segurança tanto da empresa quanto do consumidor”, disse ela.

 

Para Valéria, o projeto é importantíssimo diante da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e da necessidade de as empresas formarem novos padrões culturais com foco na proteção de dados. “Esse tipo de ação dissemina a importância de uma governança nas empresas voltada para maiores responsabilidades dentro do espaço digital”. De acordo com Valéria, a Cenort já está adotando Termo de Confidencialidade, tratamento de dados sensíveis e realizando, de forma adequada, a coleta de dados, com transparência para o consumidor.

 

Também em Londrina, a Paraná Aviamentos observou um aumento de resiliência de 72%. Para o responsável pela área de e-commerce da loja, Maycon Douglas, a segurança dos dados internos da administração, dos dados dos clientes e dos parceiros deve ser prioridade dentro da empresa.

 

“O projeto foi muito proveitoso porque nos fez olhar para nossos pontos vulneráveis, e que passavam despercebidos. Agora teremos mais segurança cibernética nesses pontos e continuaremos atentos para manter a segurança de nossos dados”.

 

Com as consultorias individualizadas, ABDI e SENAI colheram informações qualitativas sobre o perfil das empresas inscritas, como nível de digitalização, grau de conhecimento do assunto e suas experiências com ferramentas de mitigação de risco cibernético.

 

Além disso, foi realizada uma avaliação inicial da empresa para identificar as potenciais vulnerabilidades de segurança cibernética e de informação, apresentar plano de trabalho com as estratégias a serem adotadas, acompanhar o andamento da adoção dos procedimentos e realizar a avaliação final.

 

Apenas metade das empresas participantes usa infraestrutura em nuvem, por exemplo, demonstrando o grau de utilização de serviços conectados à internet. O acesso à suporte de TI, indicado por 60% dos respondentes, mostra a realização de atividades como vendas, controle de estoques e comunicações com clientes pelo meio digital e pode demostrar preocupação com riscos cibernéticos.

Sobre crise cibernética, 30% dos respondentes já haviam passado por uma, 27% têm plano de contingência em segurança cibernética e 23% já utilizaram serviços de segurança cibernética de empresa especializada. Apenas 17% das empresas consultadas têm algum orçamento destinado ao atendimento de crise cibernética.

 

Por outro lado, os números também mostraram que há alguma maturidade e consciência sobre os riscos que empresas conectadas à internet correm: 40% utilizaram alguma solução voltada para segurança cibernética na empresa e 47% têm alguma proteção contra incidente cibernético.

 

Para este ano, a ABDI ampliará os atendimentos a pequenos negócios. “Também iremos realizar ações de sensibilização do público em geral e capacitação de pessoal em segurança cibernética”, afirmou Larissa Querino.