ENCONTRE AQUI

O primeiro Living Lab do Sertão

ABDI e Petrolina assinam Memorando de Entendimento de Cidades Inteligentes

Paula Fettermann | 12/02/2020

O presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Igor Calvet, recebeu, nesta terça-feira (11), o prefeito de Petrolina (PE), Miguel Coelho, para a assinatura do Memorando de Entendimento que marca o início do planejamento do laboratório. Em seguida, a expectativa é a criação de um plano de trabalho para detalhar o processo.

"A ABDI está num momento de desconcentrar as ações da Agência do núcleo centro-sul do país, e, para isso, é importante ter parceiros fortes como vocês no Nordeste. A equipe da Agência fará o possível para fazer esse projeto acontecer em tempo recorde", disse Igor Calvet. O Hub de demonstração de tecnologias de Cidades Inteligentes será o primeiro da região. A cidade pernambucana foi escolhida por fazer parte da Rota de Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR).

O prefeito Miguel Coelho explica que o próximo passo é determinar quais os outros parceiros que podem ajudar na celeridade do projeto e ressalta a importância da parceria com a ABDI para a implantação de projetos de inovação e tecnologia em Petrolina. "Esse memorando é só o pontapé da nossa parceria. Tem diversas ações que podemos fazer em conjunto e esse documento contempla a maioria delas", afirma.

A cooperação ocorrerá por meio de pesquisas, intercâmbio de informações, conhecimentos e experiências visando ao desenvolvimento de projetos, indicadores e pesquisas nas áreas de interesse das duas instituições.

Living Lab

O Laboratório Vivo é uma vitrine para demonstração e avaliação de soluções tecnológicas para Cidades Inteligentes. O intuito é promover maior competitividade e visibilidade às tecnologias instaladas no país relacionadas a Cidades Inteligentes.

Em janeiro de 2019, foi inaugurado o Living Lab de Cidades Inteligentes, em parceria com o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu (PR).  Os testes estão focados em três pilares: usabilidade, interoperabilidade e cibersegurança.